Follow by Email

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Era Lua, Era Eu


E só de estar perante a Lua
Seu olhar movia as nuvens.
E a admiração que emergia em uma
Se fazia em agradecimento e espetáculo na outra.

Se entendiam por vias cósmicas espirituais.
Uma humana, com dons lunáticos;
Outra astro, satélite solitário.

Como um corpo celeste tem um querer?
E como pode o brilho estrelar em uma mulher?

Eram duas, naquele instante, sendo uma,
Por apenas descreverem a mesma órbita.
O distanciamento nunca impediu eclipses...
E muito menos encontros de almas.




13 de fevereiro de 2014.