Follow by Email

sábado, 9 de agosto de 2014

Derivação do Amor





Um universo
E eu morando dentro de um abraço,
Onde se somam nossos passos
Tangencialmente tortos.

Uma vida
E eu sonhando com o olhar mais doce
E se fosse lógico esse encontro,
A probabilidade de sermos o que somos
Tenderia a mais infinito.

Pouco tempo
E eu planejando as minhas memórias futuras,
Criando funções quadráticas emocionais constantes
Para que maximizem nossa história.

Integrando nossos destinos,
Sabemos que nossos antepassados se cruzaram.
Sem saber que, matematicamente amando,
Não sei expressar em a + b
Que seremos sempre nós,
Mas certa de que seremos racionais
Como números, tão naturais!

Amor meu,
Multiplicador de sons e de cores.
Seja o que for, conjunto de amores;
Sejamos felizes,
Como um cálculo: sejamos exatos!

Que sejamos únicos,
E que eu seja a solução
Que satisfaça seu prazer;
Da equação,
Sejamos os lados opostos
Que se igualam.


Nota:
Derivar = Obter novas funções, a partir de uma variável, o Amor, esse estranho x da questão, invariavelmente variante, do tipo mãe, pai, filho, amigo, paixão.






 08 de agosto de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário