Follow by Email

sábado, 7 de janeiro de 2012

Fábula


As aparências me enganaram de novo,
E hoje vejo que nada era.
A mentira que acabei de inventar
Já está me corroendo.
Seu beijo me tirou a inocência
E só um banho purifica minha alma.
Quando a profecia se concretizar
Você irá se espantar ao ver sua amada
Naquela mesma prisão
Desde que você a encarcerou.

Eu rôo por dentro te causar sofrimento,
Mas você que provocou,
Você que arranjou razão.
Se a beleza lhe dá satisfação
Você verá como é horrível essa sua pretensão.
A sua trilha se colidiu com a minha;
Mas não carece não,
Você já embarcou em outro trem.
Acho que do seu amor
Só restaram uns grãos,
Porque estou com sintomas de doença do coração.
Palpite ou não,
Acho que você se aventurou em vão;
Eu não vou sair da sua cabeça tão fácil assim.

Você se mostra tão seguro de si,
Mas consegui abalar suas estruturas.
Eu precisei mentir uma única vez
Pra você sentir no corpo e na mente
A dor que me fez;
Você terá que aceitar que sou sua candura.

Eu não quero ser agnóstica,
Mas acredito que amar é lenda.
E se for, deixa meu conto contar
A história de nossas vidas.
Ela sempre será a melhor,
Mesmo sendo a menos comprida.

Não queria me redimir,
Só queria a garantia de um Amor!

10 de setembro de 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário