Follow by Email

segunda-feira, 25 de julho de 2011

A Realidade é Que...

Eu tinha tudo. Tudo para ser feliz. Mas a felicidade para mim só estava em um sentido e, por causa deste, acabei perdendo privilégios que a vida ofereceu. Eu sempre quis amar alguém, sabe relação homem e mulher, casal. Por esse motivo deixei passar outros tipos de “amores” pela minha vida. Realmente, se sofri por amor, foi bem merecido. Esse fato de “quebrar a cara” é uma questão mais de aprender. Porque cada tapa que levo do mundo me faz amadurecer, chorar e tentar fazer algumas coisas diferentes.
Mas, voltando ao começo, vejo que correr atrás do amor não traz lucro algum. A minha pressa em encontrá-lo me distancia mais ainda do verdadeiro e me afasta de amores que a vida nos cerca. Pessoas tão importantes, sem serem notadas, vão e eu fico. E aqueles pequenos instantes de alegria foram devido a estas pessoas. A minha carência de paixão não me deixou ver que eu iria perdê-las e eu não soube aproveitar, desfrutar de companhias que me queriam bem, que me tentaram mostrar o meu caminho.
Eu havia dito que eu tinha tudo para ser feliz. Porém, nada acabou; a esperança, última, ainda não morreu e mais ainda, eu estou viva. A ignorância do mundo em relação a minha história só me faz crescer para enfrentá-la e provar para o eu do passado que meu futuro é tão imenso, que o presente nem se dá conta de tanta amplitude.
Eu devo ao que serei (melhor), aos que me rodeiam e aos que contribuem para eu seguir.
Hoje eu tenho tudo para que, agora, o amor me encontre.


02 de dezembro de 2005.


Nenhum comentário:

Postar um comentário