Follow by Email

sábado, 3 de dezembro de 2011

Acontecia e Previ



Acontece,
Seus olhos miram nos meus;
Os sorrisos são simultâneos.
Ele me priva de certos atos,
Mas não me quer dizer adeus.
Conjugamos um verbo que não existe;
Sou tão transparente que me sinto nua.
Meu coração tão ingênuo
Deixa ser devorado pelo seu calor.
Na medida exata, nossas mãos se encaixam
Por amor.
Até minhas senhas eu já lhe dei;
Ele me roubou qualquer senso de defesa.
E indefesa, ele chega e se afaga;
É ilusão, mas ponha-se no meu lugar,
Porque ele é meu amor,
Desmedido amor.

Enche meu rio de esperança,
Mas o destino conspira contra mim.
Desamparada, ele me curou,
Hoje cuidei de sua dor.
Removo montanhas para reencontrá-lo;
Até os confins, eu corro.
Não deixei recado,
Mas obrigado
Ele se foi...
E minha tendência é esperar;
No eco das vozes, consigo o escutar.
E nas esquinas, por onde ele passar,
Em todas as moças
A lembrança de mim verá;
E o incomparável amor;
Sentirá meu amor de onde estou.

29 de novembro de 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário