Follow by Email

terça-feira, 15 de março de 2011

A Que se Prometeu Sem Ter Compromisso





Uma prometida com esmero;
Que faz do amor seu exagero.
Que faz dele seu juízo,
Como tal fosse seu vestido.

Que dele próprio se envenena;
Com ele mesmo, se escusa;
Sem tê-lo, se encerra;
E por si, propaga-o.

Quer-lhe indivisível;
Se diminui quando evolui.
Como prego com carne viva,
Faz de si a poetisa
Que narra suas feridas;
Do amor,
A euforia ou a melancolia.

No eco do caos, o decreta;
Em meio às vaidades, o ergue;
Entre os egocêntricos, é pura;
Para os adultos, é precoce.
05 de agosto de 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário