Follow by Email

terça-feira, 15 de março de 2011

Sem Rumo




Um barco no rio
Rema no ritmo
Da reta sem rumo.

Um verso sem rima
Rouba a vida
Da rosa com espinhos.

O rosto em ruínas
Sem restos de risos
Traz a marca
Do amor arrasado.
21 de agosto de 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário